Revista "MUNDO e MISSÃO"

Fome


da Redação - mundomissao@terra.com.br

A riqueza de poucos tem seus alicerces sobre a pobreza de muitos.
Isso tem que continuar?

relatório da FAO-2008 (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) aponta que o compromisso assumido em 2000, de acabar com a fome no mundo até 2015, não será alcançado. Em 2000, os “famintos” eram 842 milhões; no final de 2007, 923 milhões: - 583, na Ásia e Oceania; 236, na África; 51, na América Latina e Caribe; 37, no Oriente Médio e 16, nos chamados países desenvolvidos.

“Para salvar os famintos, bastariam 30 bilhões de dólares ao ano”, declarou Jacques Diouf, diretor da entidade. O dinheiro é necessário, mas, doado a um povo que não tem a mentalidade e a capacidade de produzir com técnicas novas, cria corrupção. Muitos países africanos têm mais de 50% de analfabetos, aplicam 2% da renda nacional na educação e 20% em armas, mas importam 30% dos alimentos que consomem. Aumentam os habitantes e a produção agrícola não aumenta na mesma proporção.

Vilões?

Segundo a FAO, os principais fatores que influenciamna atual carência alimentar são:

- aumento da demanda, oscilações no preço do petróleo, especulação e condições climáticas desfavoráveis.

Questiona-se sobre a responsabilidade dos biocombustíveis, cujas matérias-primas (cana, milho e outras) “roubam” o espaço de culturas destinadas ao consumo humano. Portanto, a “culpa” pelo descalabro é das grandes nações, sempre mais egoístas, ou das multinacionais, cada vez mais ávidas de lucro fácil, ou do sistema capitalista, ainda não totalmente domesticado.

A velha companheira

A atual crise não é a primeira e nem será a última. Há, pelo menos, 3.800 anos o Egito dos faraós foi dizimado pelas “sete vacas magras” e “sete espigas murchas”, conforme um relato bíblico (Cf Gn 41, 1-8). Outras crises (alimentares, éticas ou de outros valores sociais,...), geradas por um encadeamento de fatores, acompanharam a trajetória humana.

A superação de cada qual só foi possível com a adoção de remédios amargos:

- penitências, morte das oligarquias, contenção de recursos, campanhas de conscientização, vacinação em massa, “revolução verde”, ...

Entretanto, as crises são cíclicas. Afastam-se, como ondas, para retornar em seguida. Apenas diques reforçados conterão suas investidas.

E agora, o que fazer com esta?

É um álibi fácil acusar de egoísmo as grandes nações ocidentais, as multinacionais, o sistema capitalista, se bem que, na maioria de suas cúpulas, assentam-se “cristãos”. E os que não estão no alto, são também “cristãos” tanto quanto eles?

Pe. Piero Gheddo, do PIME, é incisivo:

- “A fome no mundo chama à consciência cada um de nós, o nosso estilo de vida egoísta e consumista”.

Certamente, o missionário tem em mente o grito de João Paulo II:

- “Contra a fome, mude de vida!”.

Alertas anteriores vieram dos grandes profetas bíblicos.

O precursor do Cristo bradava: - “Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira...?” (Mt 3, 7)

A mesma expressão, utilizada mais tarde por Jesus, ajudaria a levá-lo ao calvário.

Aliás, ele provocava os religiosos de seu tempo: - “...por dentro estais cheios de rapina e de perversidades!” (Lc 11, 39).

No século IV, João Crisóstomo, a voz da consciência bizantina, apontava o dedo aos “cristãos” ricos:

- “O ouro que repousa em vossos altares pertence aos pobres” (Sermão 22).

Coração: - a fonte de tudo

“O que sai da boca procede do coração e é isto que torna o homem impuro”, diz Jesus (Mt 15, 18).

Mas não é preciso recorrer ao evangelho para descobrir o valor do amor, gerado no coração.

Steve Jobs, fundador das multinacionais da informática Apple e Pixar, declarou:

- “Às vezes, a vida bate com um tijolo na sua cabeça.

Não perca a fé. Estou convencido de que a única coisa que me permitiu seguir adiante foi o meu amor pelo que fazia. Você tem que descobrir o que você ama. Isso é verdadeiro tanto para o seu trabalho quanto para com as pessoas que você ama” (discurso de formatura da Universidade de Stanford).

O verdadeiro desenvolvimento

A mais autêntica revolução humana a fazer é estender este amor, expressado por Steven Jobs, a todas as pessoas da terra. É a revolução do coração.

Através dela, é possível surgir um “modelo de desenvolvimento” alternativo, segundo as palavras do Pe. Gheddo:

“O desenvolvimento é:

a) convencer-se que ele não é o contínuo crescimento econômico e a busca de um bem-estar mais opulento, mas é dar a todas as pessoas o necessário à vida;

b) não é suficiente ter dinheiro e máquinas; é preciso pessoas, porque o desenvolvimento é problema de educação, de formação das consciências, de evolução das culturas, de partilha. O nosso modelo atual é materialista, voltado a ter sempre mais, a melhorar o nosso nível de vida e de consumo. Impossível, com este ideal, sermos irmãos dos pobres”.

A voz da Igreja católica Na encíclica Redemptoris Missio lemos:

- “O desenvolvimento do homem vem de Deus, do modelo de Jesus homem-Deus e deve levar a Deus.

Eis porque entre anúncio evangélico e promoção humana existe uma estreita conexão”. Na raiz do subdesenvolvimento há mentalidades, culturas e religiões fundamentadas sobre visões inadequadas do homem e da mulher.

Os missionários dizem:

- “Aqui só o Evangelho pode mudar estas situações desumanas de miséria e de ignorância”.

A bem-aventurada madre Teresa de Calcutá dizia:

- “A maior desgraça da Índia é a de não conhecer Jesus Cristo”.

Ainda a Redemptoris Missio:

- “O Evangelho é a primeira contribuição que a Igreja pode dar ao desenvolvimento dos povos”.

O Evangelho promove o desenvolvimento, esta a realidade dos fatos, confrontando com os povos subdesenvolvidos:

- os cristãos, em paridade de condições, desenvolvem-se antes dos outros.

 

Visite as outras páginas

[P.I.M.E.] [MUNDO e MISSÃO] [MISSÃO JOVEM] [P.I.M.E. - Missio] [Noticias] [Seminários] [Animação] [Biblioteca] [Links]

Voltar